Lisboa dos portugueses…

Lisboa virou a menina dos meus olhos. E em cada esquina, o menino também. Fácil se apaixonar em Lisboa. Mais fácil ainda se apaixonar por Lisboa. O Tejo, o Fernando e o café em terrasses… O português fixe, as ladeiras, o bondinho, o Tejo. Chiado, Bairro Alto, Rossio, Belém nem sei mais, tudo é tão lindo. E juro que não estou exagerando. E para não ficar me acabando em elogios à capital portuguesa, vou só listar alguns dos pontos ‘incontornáveis’ (talvez…)

Fado vadio

Lisboa respira fado. Só que um show de fado profissional pode custar mais que o bolso pode quer pagar. E aí, para não ficar na vontade, vale a pena apostar nas tavernas de fado vadio. Uma busca na internet e nas revistas da cidade nos levaram à Tasca do Chico. Decorado diversas faixas de times de futebol no teto, fotos na parede e um matador de insetos na porta (daqueles que faz ‘churrasco’ de mosquito e você até escuta o barulhinho…), o bar no Bairro Alto vale só pela visita. Pros amantes, o tal do chouriço ‘assado’ na hora – e na mesa – é um dos pontos altos. Mas deve aumentar bastante o risco de incêndio no lugar. O preço para escutar fado na tasca é acessível: basta consumir uma bebida e você já é bem-vindo ao show.

Eles apagam as luzes durante o show, então meu vídeo ficou bem ruim. Mas eu achei um bacana já no youtube:

Estética

Confesso, não resisti aos preços dos salões de beleza de Lisboa. Depois de viver na França e na Espanha, me lembrava vagamente do que é poder fazer a unha e depilar sem me sentir roubada. Meu momento de redenção foi quando, passeando por um centro comercial, passei em frente a uma Jean-Louis David (Atenção! Esse salão costuma ser caro!) e bater os olhos no preço. Larguei minha irmã e fui!

Café A Brasileira

O chamativo número um do café é a estátua do Fernando Pessoa. Mas ao entrar na “Brasileira do Chiado”, dá mesmo vontade de se vestir como no começo do século passado e se por ‘a falar’ com um sotaque português. Eu não sei se o café vendido ali ainda é o genuíno brasileiro. Todavia, o expresso que tomei – depois de uma pratada  de peixe frito e arroz branquinho – estava cheiroso e gostoso! E Pessoa, frequentador assíduo, fica lá sentadinho, tirando fotos o dia todo com os turistas…

Passeio de bonde

Apenas alguns passos ‘dA’ Brasileira, fica o Largo do Camões, onde passa o famoso bondinho 28. O site LisbonLux mostra certinho o trajeto e as ‘paragens’. Acho que é uma das coisas em Lisboa que não dá pra não fazer.

(Pastel de) Belém

Belém pode parecer longe, mas a visita vale muito – muito – a pena. A Torre de Belém, o monumento do descobrimento e o pastel de Belém valem o passeio. Achar a mais antiga ‘pastelaria’ não é difícil. É só olhar onde há o aglomerado de gente e fila. A parte boa de ter sempre bastante gente é que tem sempre uma fornada quentinha saindo. Pastel de Belém quentinho com açúcar e canela… Espanta qualquer mau humor! Só pra deixar ainda mais na vontade, dá uma olhadinha no site dos ‘Pastéis de Belém’.

Confeitaria Nacional

Confeitaria Nacional

Verdade, eu só falo dos quitutes… mas que posso eu fazer se os doces portugueses são tão bons!? Por isso, eu também coloco na lista de incontornáveis a Confeitaria Nacional. Ali na Praça da Figueira, no Rossio. Não tem muito como não passar na frente da confeitaria… Daí, por que não dar uma conferida? Difícil mesmo é escolher o que experimentar. A Confeitaria é tradicional (deve ser a palavra que melhor define Lisboa no fim…), está lá desde 1829. Mesmo para os que não são dependentes de açúcar como eu, uma visita faz parte de um trajeto na cidade.

Placas em português de Portugal

Não tem como bater o olho em algumas placas e não dar risada. Citando Eduardo Lourenço: “uma língua, dois discursos”. Tão verdade. Eu não deito lixo, perceber não é entender, eu não sei o que é uma chávena, eu me recuso a comer numa casa de pasto!! Eu só quero fazer xixi, moço! Que história muito estranha é essa de ficar indo à casa de banho todo o tempo?Mas pode deixar, eu vou apertar o autoclismo. Difícil mesmo deve ser morar no rés do chão. Daí da nisso. Banho é proibido em Portugal.

Mirantes

Perdão! Não são mirantes e sim miradouros! E a gente foi encontrando miradouros assim, ao acaso… Nós estávamos despreparadas para a vista… Mas daí, dá uma olhada nas dicas do Viaje na Viagem… O Elevador da Santa Justa deve ser o mais concorrido, mas para quem não quer ter de pagar pra admirar a vista, uma ideia é parar no topo do caminho do bonde 28. O da foto é o Mirante Jardim de São Pedro de Alcântara, no Bairro Alto (o segundo da lista no Viaje).

Advertisements