Borbulhas

 

Catedral Notre Dame de REIMS

Para balancear o clima deprê do último post, vamos falar de… Champagne! 🙂

Todos os ‘gringos’ precisam de um titre de sejour para ficarem legais na França. Não é muito burocrático se comparado a todo o processo de visto de quando ainda estava no Brasil. Mas, é necessário passar por uma visita médica no órgão de imigração francês. O mais próximo de Bar-sur-Aube é em Reims.

Reims é a capital do e de Champagne. É lá onde ficam as tavernas mais famosas de vinho (sim, veuve clicquo, mumm…). Minha visita estava marcada para 8h. Terminei tudo às 10h e passei o dia circulando pela cidade. Não tem metrô, não é gigante, mas tem uma universidade, uma fnac e mcDonald’s.

Quando parei para almoçar, comecei a pensar no que faria depois do almoço (Salada Saint Jacques de entrada, Salmão de prato principal e Ovos Nevados de sobremesa. Acompanhados de Diabolo aux fraises. Sem álcool ao meio dia). Vi que poderia visitar a taverna da Mumm, que não era muito longe dali. Mas também vi que precisava de hora marcada. Mesmo assim, resolvi arriscar e fui até lá conferir.

Pique!

Que hora que nada! É a famosa frase do ‘pagando bem, que mal tem’. Dez euros a visita, guiada em inglês (com sotaque) e finalizada com uma taça de Brut.

Se vale os 10 euros? Hm, não sei. Sei que há várias que são gratuitas e mesmo assim tem degustação. Vou fazer e depois conto.

Mas uma coisa é verdade. Você sai de lá se achando muito conhecedor de champagne. A guia explica a importância de cada uva, de cada garrafa… e é Mumm, conhecida das festas de fim de ano no mundo todo.

Advertisements