O grande dia (não, eu não casei.)

Ainda no sábado à noite, eu decidi. Vou escrever sobre festa de formatura. Isso porque eu estava em uma, sou da comissão da minha sala e percebi que… bem, que não sou muito fã. Acho formaturas tristes. É como se fosse a oficialização de que você provavelmente não vai mais se divertir como naquele dia, como naqueles últimos tempos. Além disso, elas são cheias de formalizações. Quais? Você TEM que convidar aquele parente que você nem gosta muito e que adora te criticar porque sua mãe quer. Outra? Você tem que escutar piadas que, além de serem sempre as mesmas, sempre falam de outras duas coisas que sempre causam mal estar: sexualidade e futebol. Escutei com um sorrisinho amarelo alguma coisa sobre parada Gay e São Paulo. Mais manjado que isso ta pra nascer.

É no dia do seu baile de formatura que você vai ter que fingir que gosta de um monte de gente e um monte de gente vai fingir que gosta de você. Você vai até chorar no fim da valsa, mas não vai saber se de alegria ou de tristeza e muito menos exatamente por quem.

É neste dia que todo mundo bebe muito mais do que agüenta e fala diversas verdades que ficaram omitidas durante todo o período da faculdade. Mas, é no dia seguinte que você vai acordar e alguém vai te lembrar que você também fez isso e pagou o mico.

É no dia ‘mais feliz da sua vida’ que alguém vai sair do armário, que dois amigos seus que se odiavam vão começar a namorar, que você vai descobrir que xavecar o barman é sempre uma solução instantânea pra quando você encontra seu paquera com outra, que você vai descobrir que seus amigos vão – ou não – durar, que você vai chorar de pânico por não ter a mínima certeza do que vai ser agora.

A minha acontece em 7 meses. Tá todo mundo convidado. Ah, e espero que a comida te caia bem. Rsrsrs…

Frases do fim de semana:

“Antes o dedo podre que o dedo no c…” – Bia

“Sai daí. Essa menina é sapatão.” – Adriana

“Amofadinha…” – Mayra

Obrigada pela companhia!

Advertisements